Planos Terapêuticos

Planos Terapêuticos

Após o Diagnóstico e explicação do curso e prognóstico da doença será elaborado um Plano Terapêutico organizado conjuntamente com a Pessoa doente. Desenha-se a terapêutica farmacológica que pode ser instituída por fases, mas para além desta há outras propostas que podem trazer grande benefício para o curso da doença.

Há propósitos específicos nas diferentes abordagens terapêuticas, sendo que todos contribuem para objetivos comuns que são o bem-estar, melhor desempenho funcional, inclusão, autonomia e participação social e familiar. Assim, percorremos áreas desde a estimulação cognitiva às propostas de mudança de estilos de vida.

É frequente haver resistência do paciente em aderir a propostas que desconhece, por isso fazemos sessões de avaliação/demonstração com os terapeutas nas várias abordagens que propomos.

A escolha das várias abordagens terapêuticas recai no binómio Doença/Pessoa, ou seja é pensada em função da doença e das características pessoais. Cada patologia tem a sua orientação terapêutica, mas não podemos esquecer a Personalidade e Percurso de Vida de cada doente, não só pela necessidade de adesão do doente ao tratamento, como pelo sentido para o próprio dessa abordagem decisivo nos benefícios.

Um Plano Terapêutico uma vez criado é aferido no seu decurso com a possibilidade de ser alterado, consoante os benefícios e a evolução da doença.

 

Planos Terapêuticos

 

Terapias

 

Estimulação Cognitiva

Na estimulação cognitiva trabalham-se funções nervosas superiores que julgamos com potencial de serem reabilitadas. Após Avaliação Neuropsicológica focamo-nos nas funções a reabilitar tanto em sessões presenciais como através de aplicações informáticas que permitem sessões realizadas no domicílio.

 

Psicoterapia face a face

O uso da psicoterapia face a face foi durante muito tempo considerado tabu nas doenças degenerativas do Sistema Nervoso Central. Iniciamos a sua aplicação através dos processos de revisão de vida e daí percebemos o seu benefício no relançamento da Pessoa na reconstrução de vida, apesar das dificuldades com que se deparavam, mas que podem ser contornadas, permitindo mesmo a construção de projetos de vida.

 

Psicoterapia com uso de mediadores

Quando as dificuldades de comunicação verbal ou outras limitam o trabalho com psíquico do doente, vamos usar alternativas para chegar aos nossos fins. Entende-se por mediadores desempenhos que vão desde o uso do corpo do próprio, trabalhando várias funções corporais, ao recurso a objetos, técnicas ou artes, com vista a obter benefícios terapêuticos em áreas diversas do funcionamento mental. Interessa essencialmente o processo subjacente a esse desempenho e não o resultado final dessa prática. Por exemplo, podemos usar o movimento e a dança, e o que nos importa é a forma como decorrem as sessões e não a qualidade da possível performance final. Não invalida que se estabeleça uma criação final, que tem como único objetivo propor uma meta para estimular a prossecução do projeto. As Psicoterapias com uso de mediadores podem ser organizadas individualmente ou em grupo.

 

Terapia da fala

Em determinadas patologias há indicação para o uso da Terapia da fala, com benefícios para o doente.

 

Grupos Terapêuticos

Os Grupos Terapêuticos são levados a cabo em propostas de Psicoterapia com uso de mediadores. Foi por nós desenvolvida uma outra técnica que se baseia em técnicas de Psicodrama, mas adaptadas a Pessoas com compromissos da cognição, que denominamos de Dramatização Terapêutica. A Dramatização Terapêutica, bem como os Grupos Terapêuticos decorrem em ambiente de Hospital de Dia.

 

Fisioterapia

A Fisioterapia não é proposta só com a finalidade de reabilitar funções motoras, mas também com o objetivo de melhorar o desempenho das faculdades mentais, nomeadamente das funções nervosas superiores, através do trabalho com o Corpo, numa perspectiva alargada, onde se enfatiza a importância da aquisição de consciência corporal, da coordenação motora, do sentido do movimento e da próprioceção.